domingo, 19 de junho de 2011

Carta de um pai ao seu filho adolescente:

Ao Meu Querido Filho,
Em primeiro lugar, quero dizer-lhe que desejo que você seja muito feliz, e que essa felicidade se estenda por toda a sua vida, que possa senti-la dia a dia, vivendo de forma equilibrada e harmoniosa, sabendo que a sua liberdade termina onde começa a dos outros, que este é o limite que tem de respeitar.   

Quero lhe dizer que nunca existiu medida para o amor que tenho por você, ou para o sentimento de profunda realização que me enche a alma a cada vez que olho para você e que lhe sinto próximo de mim.
Que não é possível definir em palavras o orgulho que tinha em cada um dos seus sorrisos, em cada uma das suas palavras ou em cada um dos seus gestos, na criança que foi. Mas tenho certeza de que terei muito orgulho do homem, que ainda anseio, que venha a se transformar.
Queria que continuasse sendo o meu melhor amigo e que aceitasse que eu fosse o seu, por sempre ter sido a materialização de todos os meus sonhos, por ter sido tudo o que desejei e muito, muito mais. Cada vez que me abraça, me enche de amor, cada vez que me chama e me pede conselhos ou ajuda, faz de mim um herói. Porque você deveria ser o melhor que há em mim.
Quero pedir-lhe perdão por todas as vezes que não tive tempo ou paciência, pelos momentos em que precisou de mim e eu não estive presente, pois com certeza eu não sabia, ou por não ter estado mais, rido mais, beijado mais, brincado mais, se é que era possível, porque mudei totalmente minha vida profissional e pessoal para ter o prazer de estar mais e mais ao seu lado.
Quero dizer-lhe que todas as escolhas que fiz, mesmo as erradas e as que contrariaram a sua vontade, tinham o único propósito de fazer de você alguém melhor que eu. Que sempre vivi para lhe ver saudável e em paz, que nada no mundo é mais importante que você, que o meu pesadelo era lhe perder, lhe magoar ou lhe afastar de mim. Sempre lhe dei apoio e orientação, e por vivermos em sociedade, faz-se necessário regras, para que tenhamos um bom convívio. Entendo que nessa idade, os questionamentos que fazemos a respeito da nossa existência nos dá uma ideia errada do que é ser livre. Seja por dever de pai e/ou por todo o amor que tenho por você, que lhe oriento, e exijo de você que cumpra essas regras, pois são para o seu próprio bem e lhe ajudarão a formatar seu caráter fazendo de você um verdadeiro homem. Saiba que sempre estarei aqui, de braços abertos e o coração cheio de amor pelo pedaço de mim que é você, direcionando-o sempre, sem concordar com aquilo que esteja fazendo de errado, sem fugir ao que acredito, por mais que te ame, ou até por isso. 
As minhas verdades não são universais ou os conselhos que lhe dei, nem sempre foram tão sábios, mas tenha a certeza de que tudo o que eu imaginava ser verdade e importante para que você se tornasse uma pessoa melhor, para você e para o mundo, eu lhe ensinei. 

A vida tem uma forma estranha de nos ensinar, e tudo o que precisa saber aprenderá no momento em que conhecer o seu filho. Deixará de pertencer a você próprio e saberá que o amor não conhece limites ou barreiras, porém, exatamente por amar muito, temos que aprender a dizer não, a dizer basta, e desse jeito mais uma vez ensinar, senão pelo amor, infelizmente será pela dor, o que nenhum pai deseja a seus filhos, mas tenha a certeza que doerá muito em você, mas também em nós, pois o amamos muito além do que possa imaginar. 
Com todo o amor, carinho e dedicação que sempre tive e tenho por você,

De seu pai, que sempre o amou, e sempre o amará!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário